quarta-feira, 23 de maio de 2018

GRUPO AKAER E TROYA SE UNEM PARA FORMAR O MAIS COMPLETO FORNECEDOR DE FERRAMENTAL BRASILEIRO.


O Grupo Akaer, formado por empresas de desenvolvimento e integração de tecnologias, adquiriu participação acionário na Troya, um dos mais importantes fornecedores de ferramental e plataformas da Embraer, passando a ser o controlador da empresa.

As empresas possuem capacidades complementares tanto nas áreas técnicas como nas áreas de gestão e comercial, o que deve ampliar a capacidade de atuação da Troya para projetos maiores e mais complexos como linhas de montagem completas (equipamento, processo e automação) para grandes segmentos, como asas, cabine e fuselagem.

Além disso, a Troya contribuirá de forma significativa para um dos mais importantes projetos de P&D (Pesquisa & Desenvolvimento) de Ferramental Flexível do país, que está sendo desenvolvido pela Akaer através do Inova Aerodefesa, da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos).

 “Esse investimento é mais um importante passo para a concretização da nossa visão empresarial de nos tornarmos fornecedores de 1º nível na cadeia de serviços e produtos tecnológicos no setor de Aeroespaço & Defesa”, disse Cesar Augusto T. Andrade e Silva, presidente e CEO da Akaer.

Os dois locais de operação da Troya serão realocados para a moderna sede da Akaer, em São José dos Campos, ocupando inicialmente uma área de 1.200 m² e com possibilidade de expansão. 


“Essa nova fase junto à Akaer é um marco na história da Troya e também no mercado aeronáutico brasileiro, que pode agora contar com um grande fornecedor nacional de ferramental”, disse Francílio Graciano, presidente e fundador da Troya.

O Grupo Akaer, fundado em 1992, é especializado no fornecimento de soluções tecnológicas em diferentes áreas de atuação como aeroespacial, defesa, energia e automotiva. Com mais de 350 funcionários altamente capacitados, tem atuado no desenvolvimento em projetos estratégicos para o Brasil como o Gripen, KC-390, além de câmeras para satélites.

A Troya é um dos principais fornecedores de ferramental para o mercado aeronáutico. Fundada em 2008, a empresa conta com mais de 40 funcionários dedicados ao projeto, desenvolvimento e fabricação de ferramental. Em 2017, recebeu prêmio de melhor fornecedor de ferramental da Embraer.


terça-feira, 22 de maio de 2018

AMERICAN AIRLINES COMEMORA RATIFICAÇÃO DO ACORDO DE CÉUS ABERTOS ENTRE BRASIL E ESTADOS UNIDOS.

O acordo de Céus Abertos entre Brasil e Estados Unidos vai abrir caminho para que o Departamento de Transportes dos Estados Unidos aprove a aliança com o grupo LATAM Airlines. A Joint Business, anunciada em janeiro de 2016, vai abranger todas as viagens entre Estados Unidos, Canadá, Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai, Peru e Uruguai.

A Joint Business dará aos viajantes acesso a uma rede aprimorada de rotas, com maior conectividade e capacidade, melhores preços e uma experiência unificada nos voos da American e da LATAM. A parceria recebeu aprovação regulamentar do Brasil em outubro de 2017, da Colômbia, em maio de 2017, e do Uruguai, em novembro de 2016.

"Aplaudimos o Departamento de Estado e Transportes dos Estados Unidos e o Ministério dos Transportes do Brasil pelo importante passo dado para o fortalecimento do relacionamento aéreo entre os dois países", diz Nate Gatten, vice-presidente sênior de assuntos governamentais da American Airlines. "Cumprimentamos os secretários Pompeo e Chao e suas equipes pela liderança e pelo comprometimento com a conclusão do acordo. Como principal transportadora americana na América Latina, a American vem defendendo a política de Céus Abertos entre Estados Unidos e Brasil há muito tempo. O acordo vai fortalecer os laços econômicos entre os dois países e proporcionar benefícios significativos aos consumidores".

A American Airlines opera orgulhosamente no Brasil há 28 anos e oferece mais voos entre o país e os Estados Unidos do que qualquer outra companhia. A empresa possui aproximadamente 600 funcionários no Brasil e mais de 70 voos semanais para o Rio de Janeiro (GIG), São Paulo (GRU), Manaus (MAO), Belo Horizonte (CNF) e Brasília (BSB) a partir de seus hubs em Miami (MIA), Dallas/Fort Worth (DFW), Nova Iorque (JFK) e Los Angeles (LAX). 

American Airlines Group (NASDAQ: AAL) é a holding da American Airlines. Em conjunto com empresas parceiras regionais, operando como American Eagle, a American Airlines oferece uma média de, aproximadamente, 6.700 voos por dia para quase 350 destinos, em mais de 50 países. A American é membro fundador da aliança oneworld®, cujos membros e parceiros atendem a quase mil destinos com 14.250 voos diários para 150 países. Este ano, a American encabeçou a lista de melhores empresas em recuperação da revista Fortune e suas ações foram incluídas no S&P 500 index. Conecte-se com a American no Twitter @AmericanAir e no Facebook.com/AmericanAirlines.

JeffreyGroup Brasil.

Leia> O Brasil Sobre Rodas.

sábado, 19 de maio de 2018

CASA DA MÃE JOANA.
Por Marli Gonçalves*

BANG BANG GERAL


Mãos ao alto! A bolsa ou a vida! – ah, agora nem tem mais isso. É a frio mesmo, ou com aquele linguajar de “mano”: perdeu. O mundo está virado. As pessoas estão loucas. Loucas e inseguras, em todos os lugares. Nos centros urbanos. Nas cidades do interior as explosões viraram rotina. O medo impera em todas as classes sociais, e a morte pode vir por nada. Ou por tudo isso.

Mas não se preocupem. Os seus problemas acabaram. O governo acaba de anunciar a criação de mais um órgão, instituição, elefante branco, ralo, nome, título pomposo – você escolhe como quer chamar o tal SUSP – Sistema Único de Segurança Pública, seja lá o que isso queira dizer. Se acompanhar seu irmão da Saúde, o SUS, já viram em que brejo estaremos.

Vai fechando a garganta e agora piora porque a gente assiste ao crime, várias vezes, com vários ângulos, gravados por câmeras - às vezes até da própria vítima - espalhadas pelas cidades que ainda são burras. Câmeras, quem sabe um dia se por ventura nos transformarmos em cidades inteligentes poderão servir para garantir sobrevivência, não só registrar o que já está virando até certo sadismo. Algumas tevês ainda editam ou cortam partes mais violentas, outras aumentam a audiência mostrando tudo, ad nauseam, repetidamente, com apresentadores babando em cima.

Teve bate-boca severo por aí esses dias, com o caso da PM que, certeira, detonou o peito do ladrão na porta da escola onde estava com a sua filha. Houve  outros casos de reação, mas esse foi emblemático, porque era uma mãe, policial, loura, véspera de Dia das Mães, e ainda homenageada com flores pelo governador em ano de eleição; tudo bem enganchado, como se fala na linguagem jornalística.

Quem em sã consciência pode criticar? Há muito não via uma legítima defesa tão bem executada, exímia. O problema é que isso está dando margem para a volta dos dinossauros, dos trogloditas que ficam atirando insanidades de seus computadores, e acabam apoiando e piorando essa terrível escalada da violência – o bang bang - em que vivemos, ressalte-se que não é só no nosso país. Mas aqui temos mais ignorantes de plantão ou, pior, nas ruas, como candidatos, se aproveitando da aflição alheia.

Não há seriedade em torno de soluções. A intervenção no Rio de Janeiro - e as alarmantes ocorrências diárias contínuas com aumento de 86% de tiroteios, por exemplo - demonstrou ainda que não há também respeito a qualquer farda, nem verde. Virou um pega para capar. Uma caçada cruel. Bandidos X policiais X cidadãos, em todas as ordens dos fatores.

O buraco, que não é só o da bala, é mais embaixo. Não há políticas públicas ou sociais que analisem os fatos, a expansão das organizações criminosas, as regras penais, socialização, corrupção de autoridades. Pensam em criar verbas para segurança expandindo nada mais nada menos do que os jogos de azar, loterias. Deve vir algum também dos senhores das armas e suas empresas de calibres mortais.

Enquanto isso, as pessoas por aí pensam em se armar para enfrentar o clima de Velho Oeste, os arrastões nos saloons, defesa de seus bens e propriedades. Daqui a pouco algum gênio da raça vai propor a distribuição de vistosas e brilhantes estrelas de xerife.

Para se armar, tem de saber o que é uma arma, como se usa, onde guardar, e ter a cabeça no lugar. Há muitos anos, ainda no Jornal da Tarde, fiz um curso de tiro (e modestamente creio que ainda atiro bem) para uma reportagem sobre o assunto. À época estava frequente a morte de adolescentes que esqueciam a chave para entrar pé ante pé em casa de madrugada, e de crianças, mortas pelos próprios pais e suas pistolas guardadas debaixo do travesseiro. O coitadinho sentia medo no meio da noite, ia pedir achego na caminha e tomava um tiro, ali na porta do quarto, confundido com invasores. Vi muitos casos.

Temo uma nova onda de armamento. Nunca tive problemas com armas, que meu pai usava e sempre me ensinou o perigo delas. Mas gosto mesmo é de lembrar de minha mãe se defendendo com boas panelas na mão, ou com tamancos de madeira que tirava rápido dos pés quando alguém mexia com a gente.

Brasil, segurança seria progresso, 2018.





* Marli Gonçalves, jornalistaApenas para lembrar: há profissões que obrigam a jamais recuar diante do perigo ou de algum fato, mesmo não estando em serviço. Médicos devem se apresentar. Jornalista é outra delas – o dever de denunciar malfeitos é juramento (espero que os novos profissionais saibam disso). Os policiais também o são 24 horas, fardados ou não. Não tem nem conversaTenho um blog. Divertido e informante ao mesmo tempo, no marligo.wordpress.comEstou no Facebook e no TwitterVisite o "Chumbo Gordo": www.chumbogordo.com.bre-mails: marli@brickmann.com.br e marligo@uol.com.br. 

AO VOLANTE, ACELERANDO CONTRA O CÂNCER DE MAMA. Por Chico Lelis*



Quando você cruzar, pelas ruas, avenidas e estradas de São Paulo, com uma moça de curtos cabelos pretos, bem pretos, sobrancelhas bem delineadas, vários anéis nos dedos, a bordo de um Toyota Prius, saiba que ela é uma das maiores batalhadoras contra o CÂNCER DE MAMA, doença que atinge, em média 58 mil mulheres por ano no Brasil, segundo números do INCA – Instituto Nacional do Câncer.

Seu esforço é para que um maior número de mulheres adote a realização da mamografia, a partir dos 40 anos, anualmente. Este exame detecta o mal, que pode ser curado, em 90% dos casos, se o seu diagnóstico for precoce. O problema é que, muitas vezes, o médico recomenda o exame, mas sua paciente não o atende e vai protelando. Se ela tem sorte, ótimo! Mas, se ela tem casos na família, são sedentárias, fumam e bebem muito, começaram a menstruar entre 9 e 10 anos de idade ou menopausa tardia (após os 55 anos), se alimentam mal ou promovem reposição hormonal sem controle médico podem não ter sorte e contrair Câncer de Mama.

Ah! Homens também podem ser vítimas da doença, embora em proporções bem menores que as mulheres. A média é de um caso para cada 100 no Brasil.

Ela e suas 13 cirurgias


A moça morena que dirige o Toyota Prius por ai é a Valéria Baraccat, presidente e fundadora do Instituto Arte de Viver, que teve duas vezes Câncer de Mama e passou por 13 cirurgias e segue firme, correndo de lá pra cá, lutando para que outras mulheres não passem pelo que ela passou.

Valéria conta que na Região Sudeste do Brasil o registra o mais elevado número de casos da doença e, que nas classes A e B, estão as mulheres com maior incidência do mal, em razão de sempre “deixarem pra depois” a mamografia, que não é substituída pelo auto exame, como muita gente pensa. E destaca que a doença não dói, ele é duro, mas indolor em seu início. Daí, ressalta ela,  a necessidade de procurar um médico. Nas classes menos favorecidas, o maior inimigo é o desconhecimento.

História



O Instituto Arte de Viver Bem começou em 2009, quando Valéria descobriu ser portadora de um câncer de mama. Foi então que descobriu que a maioria das pessoas, especialmente as de baixa renda, era desinformada sobre o mal.

Mãos à obra! Valéria entrou em contato com os principais hospitais no mundo para estudar a doença a fundo. Assim nasceu o Instituto, com o objetivo de atender as mulheres , reunindo todas as forças possíveis para diminuir a incidência  do câncer de mama entre elas.

E esse trabalho segue até hoje, incluindo não só a questão da necessidade da mamografia, que revela o mal no seu início, resultando na cura em 90%, por detectá-lo precocemente.

Ensinando a dirigir


Além de cuidar do Instituto, Valéria Baraccat tem seus momentos de ensinar as pessoas a dirigir o Prius, especialmente manobristas dos locais que visita em busca de apoio para o Arte de Viver Bem,ou para fazer palestras que ajudam as mulheres a tratar ou evitar o câncer.

Me perguntam tudo, conta ela. Qual o consumo, como funciona? E ela vai explicando contando que o carro tem dois motores, que funcionam em sintonia, a gasolina e elétrico. Nele, a energia cinética,  gerada nas frenagens, transforma-se em energia elétrica pelo motor elétrico, que faz como um gerador carregando a bateria. Sem precisar carregar na tomada.

E ela ainda faz questão de destacar: ele não entra no rodízio!






* chicolelis - chicolelis@gmail.com  Jornalista com passagens pelos jornais A Tribuna (Santos), O Globo e Diário do Comércio. Foi assessor de Imprensa na FordGoodyear e, durante 18 anos gerenciou o Departamento de Imprensa da General Motors do Brasil. Assina a coluna “Além do Carro”, na revista Carro, onde mostra ações do setor automotivo nos campos Social e Ambiental.


sexta-feira, 18 de maio de 2018

ITAIPU E INFRAERO FIRMAM PARCERIA PARA PROMOVER MELHORIAS QUE VÃO DUPLICAR CAPACIDADE DE VOOS EM FOZ DO IGUAÇU.

O protocolo prevê o investimento de R$ 80 milhões em projetos que incluem a ampliação em 1.000 metros da pista de pouso e decolagem e a duplicação da via de acesso ao terminal.

A Itaipu Binacional e a Infraero assinaram, na manhã desta sexta-feira (18), em Foz do Iguaçu, um protocolo de intenções para promover melhorias do Aeroporto Internacional Cataratas. O protocolo prevê o investimento de R$ 80 milhões em projetos que incluem a ampliação em 1.000 metros da pista de pouso e decolagem e a duplicação da via de acesso ao terminal.

Participaram da solenidade o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro; a governadora do Paraná, Cida Borguetti; o prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro; o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Marcos Stamm; o presidente da Infraero, Antônio Claret de Oliveira; deputados federais paranaenses e outras autoridades.

“As obras do aeroporto vão dobrar a capacidade de voos em Foz do Iguaçu, possibilitar a chegada de aeronaves maiores e trazer mais comodidade de acesso aos passageiros”, afirmou Casimiro. “Agradecemos a parceria com Itaipu para promover estas melhorias. Sem a ajuda da empresa, o governo federal teria dificuldade para fazer estas obras.”

A via de 800 metros entre a rotatória da Avenida das Cataratas (BR-469) e o aeroporto será duplicada. Serão alargadas as vias para os dois lados, criadas alças de retornos e acostamentos, implantada uma ciclovia, passarelas de pedestres e abrigos de ônibus.

Para Marcos Stamm, os investimentos mostram o compromisso da Itaipu com o desenvolvimento de Foz do Iguaçu e de toda a região, especialmente um dia após a empresa completar 44 anos. “Para realizar nossa missão na cidade, precisamos sempre pensar na infraestrutura e é isso que estamos fazendo hoje”, disse.

Stamm citou ainda o investimento da Itaipu em outras obras importantes, como as ações de gestão de bacias hidrográficas nos municípios do Oeste Paranaense, além da pavimentação de estradas rurais. Em Foz do Iguaçu, Stamm lembrou a pavimentação de ruas na Vila C e a construção do Mercado Municipal, na Vila A, este com investimentos estimados em R$ 13 milhões.

“Não tem como não dar certo, quando fazemos uma aliança entre os governos federal, estadual e os municípios”, comentou a governadora Cida Borguetti. “Ainda mais aqui em Foz do Iguaçu, que tem uma potência como a Itaipu Binacional, que sempre participa dos projetos com grande impacto no desenvolvimento da cidade.”

Outras obras

Segundo o ministro Valter Casimiro, os investimentos em obras de infraestrutura em Foz do Iguaçu devem chegar a um valor total próximo de R$ 500 milhões. Na mesma solenidade de assinatura do protocolo de intenções entre Itaipu e Infraero, foi assinada também a ordem de serviço para ampliação do Aeroporto Internacional Cataratas.

O terminal será ampliado em 40%, aumentando dos atuais 10 mil m² de área para 14 mil m², o que permitirá o atendimento de 4 milhões de passageiros por ano. O projeto prevê a implantação de quatro pontes de embarque (fingers), a criação de mais duas posições de aeronaves no pátio, além de outras comodidades na área interna do terminal, com espaço para novas lojas e ampliação da área de convivência.

Durante a solenidade, também foi anunciado o lançamento do edital para licitação da perimetral leste, que vai tirar o fluxo de caminhões do centro da cidade.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

COMO ESCOLHER O CAMINHO PARA O FUTURO.
Por Percival Maiante*

O Brasil inicia um dos anos mais importantes da sua história. Em meio de tantas turbulências sociais e políticas, nosso povo quer novamente poder encontrar o caminho do futuro, aquele que garantirá a existência das próximas gerações. 

Eu me lembro de quando parti do interior de São Paulo rumo à Capital em 1970, em busca do futuro e do sonho de ser professor. Nunca desvalorizei o trabalho que executava na lavoura, pois ele gerava o meu sustento e o da minha família, era a minha base. Mas achava que poderia ir além, aprender coisas novas e crescer como ser humano. Nesta fase, tive que tomar decisões importantes, ser persistente e respeitar as novas pessoas que surgiriam na minha vida. Por diversas vezes tive que lidar com frustrações, como quando perdi minha primeira oportunidade de emprego formal porq ue transferi meu alistamento militar para São Paulo e fui selecionado para o Tiro de Guerra. Mas persisti, pulei a pedra e conquistei a vaga tempos depois.

Naquela época, o país passava pela era do “milagre brasileiro”. Ao mesmo tempo em que a economia crescia a inflação também aumentava, e havia certo receio sobre o futuro de todo aquele movimento. Mas, assim como nos dias atuais, a vida tinha que andar para frente. O investimento em aquisição de conhecimento foi a melhor decisão tomada por mim. Em pouco tempo realizei o sonho de ser professor e orientador educacional. Ali, tive certeza que estava no caminho certo.

O processo educativo, com constância de propósito, garante ao indivíduo a sua base para o futuro. Por um lado, vemos que a pauta do ensino no país está há tempos em destaque nas manchetes dos jornais. Por outro, não podemos ignorar fatos e cobrar os nossos representantes. Segundo relatório divulgado no ano passado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, entidade que reúne dados de educação de 35 países desenvolvidos e outra lista de 10 países, em que está o Brasil, nosso país investe 4,9% do PIB em educação. A média dos países mais desenvolvidos no estudo é de 5,2% do PIB. No entanto, o investimento brasileiro por aluno ainda é bastante baixo.  Mas se houver esforço e insistência po r parte do indivíduo e da sociedade é possível chegar lá.

Nos dias atuais, quando vejo jovens desafiando o futuro com as novas tecnologias, se arriscando em aquisição de conhecimento e em profissões que acabaram de surgir, lembro da minha professora na fazenda, em plenos anos 60, que também me desafiava a imaginar esse futuro que é hoje, e que me convenceu a ir além. É com essa garra que eu espero que a geração atual pense no seu amanhã, sem desistir em momentos difíceis, mas, principalmente, sem perder os seus próprios valores.










* Percival Maiante é pedagogo, advogado e atualmente exerce a função de presidente da Fundação Toyota do Brasil, braço social da montadora japonesa.


COOP PRORROGA PRAZO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS.


A Coop - Cooperativa de Consumo prorrogou para o dia 30 de maio o prazo final para recebimento de projetos de Instituições beneficentes interessadas em participar do seu programa de responsabilidade social. Durante a Assembleia Geral Ordinária, realizada no final do mês de março, os cooperados aprovaram a verba de R$ 350 mil para essa finalidade.

Segundo Luciana Benteo, analista de responsabilidade social, os projetos devem detalhar de forma clara os objetivos sociais, as necessidades da instituição e as metas a serem atingidas, acompanhados de uma série de documentos e demais requisitos que podem ser conferidos no portal www.portalcoop.com.br/social.

O processo seletivo está aberto a entidades instaladas em Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, São José dos Campos, Sorocaba, Tatuí e Piracicaba, já que a Coop prega o compromisso cooperativista de trabalhar para o desenvolvimento sustentável das comunidades onde está instalada. Na seleção das entidades serão priorizados os projetos que se enquadram na proposta defendida pela Coop: a transformação e a promoção social das parcelas da população em situação de vulnerabilidade social.

O valor máximo para aporte é de R$ 20 mil e no ano passado, os R$ 350 mil liberados atenderam 19 instituições. A verba doada deve ser empregada em obras de reformas e ampliações da sede ou em aquisições de equipamentos, mobiliários e materiais pedagógicos, ou seja, em melhorias que possam aprimorar a qualidade de vida dos assistidos. Estão descartados projetos que reivindicam a doação para pagamento de salários dos funcionários, encargos trabalhistas ou para as despesas do dia a dia, como cestas básicas ou fraldas, por exemplo. De acordo com o presidente executivo Marcio Valle, para manter a saúde da Cooperativa é preciso ter uma comunidade sustentável.

O envio da proposta de projeto e dos documentos deve ser dirigido, via Correios, à Rua Conselheiro Justino, 56 Bairro Campestre – 09070-580 – Santo André – SP, aos cuidados da área de Responsabilidade Social. Para mais informações, acesse o portal da Coop na Internet ou a Central de Relacionamento 0800 7722667, em dias úteis, de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas.

Desde que foi lançado em 2002, a programação de apoio da Coop às entidades assistenciais já beneficiou 241 instituições com recursos de R$ 4,7 milhões. Dinheiro doado pelos cooperados, que aprovam anualmente a liberação da verba. "A Coop apenas faz a gestão da verba, selecionando as entidades, visitando as estruturas para conhecer suas reais necessidades e acompanhando a utilização do dinheiro doado para cada uma delas", detalha Luciana Benteo.

Atualmente, a Coop é considerada a maior cooperativa de consumo da América Latina e fechou o exercício de 2017 com faturamento bruto de R$ 2,2 bilhões. Possui 800 mil cooperados ativos, cerca de 6,5 mil colaboradores diretos, 31 unidades de distribuição - sendo 23 no Grande ABC, uma em Piracicaba, três em São José dos Campos, duas em Sorocaba e duas em Tatuí –, além de três postos de combustíveis e 15 drogarias de rua. Por ser uma cooperativa, seu principal escopo é oferecer os melhores serviços com preços justos, além de reverter benefícios para seus cooperados e comunidade, como ciclo de palestras gratuitas; programa de saúde e qualidade de vida; retorno das sobras (lucro), quando ocorrerem; programas educacionais voltados aos estudantes da rede pública e particular; doações para entidades beneficentes onde a Cooperativa possui unidades de distribuição e repasse de verbas para a Federação das APAEs provenientes da venda da Revista Coop e do programa Troco do Bem.

MP & Rossi Comunicações.

Leia> O Brasil Sobre Rodas.

FICAR PARADO É ANDAR PARA TRÁS.
Por José Renato Nalini*

Os efeitos da 4ª Revolução Industrial já nos atingem. Vejam como os mobiles já adivinham o que vamos escrever em nossas mensagens eletrônicas. Isso é Inteligência Artificial, a mágica transformadora do mundo neste século surpreendente.

Os Países que têm juízo – e são muitos, embora não façamos parte desse clube – sabem que o poder dos algoritmos do mundo digital não respeita fronteiras, acaba com negócios e muda profundamente a vida. É mais do que urgente levar a educação a sério. Ensinar o que melhora o convívio e atrai uma criança que já não consegue ser enganada com aquele conteúdo chocho das aulas tradicionais.

Os grandes centros do pensamento estão se preocupando há muito tempo com a educação do amanhã. Ela é toda condicionada a temas que parecem ficção científica para muitos nossos educadores. Mais preocupados com avaliações em relação à capacidade cognitiva e à habilidade de memorizar informações, não se apercebem que o mundo mudou e não voltará a ser o que já foi.

A receita para garantir sobrevivência às gerações que hoje estão nos seus anos iniciais é pensar de outra maneira os desafios da força de trabalho do século 21. Mais da metade dos empregos existentes é hoje destinada à extinção. Surgirão outras atividades, é óbvio. Mas o drama é: Primeiro, serão necessárias menos seres humanos do que aqueles que serão descartados em suas profissões. Segundo: as necessidades não coincidem com a baixíssima formação hoje propiciada a praticamente toda a juventude. Só terão o que fazer, de forma prazerosa e remunerada, aqueles que estiverem preparados. 

Indústria sucateada, pesquisa pouco desenvolvida, incapacidade de ler, escrever e se exprimir, baixa criatividade, generalizado desalento. Este o cenário em que os jovens de hoje estão, sem perspectivas reais de uma subsistência digna daqui a algumas décadas. 

Reinventar a educação, abrir espaço à ousadia, ser audaz na mudança de rumos, alertar família e sociedade, tudo isso depende mais da cidadania do que do Governo. Este continuará atento ao calendário eleitoral, ao Fundo Partidário, às coalizões, ao tempo de TV e ao marketing que terá de convencer o eleitor de que estará a fazer a melhor escolha.

Se a sociedade lúcida não acordar e não assumir as rédeas do convívio consciente e solidário, tudo ainda será pior.










* José Renato Nalini é desembargador, reitor da Uniregistral, palestrante e conferencista. Visite o blog: renatonalini.wordpress.com.



Leia> O Brasil Sobre Rodas.  

terça-feira, 15 de maio de 2018

OAB RENOVA PARCERIA COM CÂMARA DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ACISA.

A Associação Comercial e Industrial de Santo André acaba de renovar parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil - 38ª subseção de Santo André, para manutenção da Câmara de Mediação, Conciliação e Arbitragem, em funcionamento em suas instalações.

A formalização da parceria ocorreu durante encontro que contou com a presença do presidente da Subseção da OAB Santo André, Roberto Pereira Gonçalves, da advogada Simone Fusari - nova diretora executiva da Câmara, além do presidente da ACISA, Pedro Cia Junior, do vice-presidente Evenson Robles Dotto e do superintendente Ademir Gasparetto. 

De acordo com a advogada Simone Fusari, a Câmara de Mediação, Conciliação e Arbitragem inaugura uma fase de renovação. “O primeiro passo foi reformular e ampliar o quadro de colaboradores. Agora são nove especialistas, uma estagiária e três peritos das áreas de imobiliária, contabilidade e financeira, que darão um novo oxigênio aos nossos trabalhos”, explica.

O passo seguinte será ampliar a divulgação dos benefícios para as pessoas físicas e jurídicas, proporcionados pela Câmara. Para isso, serão criadas ações específicas e uma delas será a realização de palestras explicativas voltadas aos empresários. 

Hoje, a Mediação é indicada para solucionar conflitos de esfera cível e ganhou grande força por conta do novo Código de Processo Civil (NCPC) e da lei 13.129/2015, que tratam do tema  e colocam a Câmara com um importante instrumento para solução de litígios sem a participação do Estado.

Todas as decisões arbitradas têm força de sentença transitada em julgado e são executáveis e entre as vantagens estão o sigilo das operações; desburocratização; maior velocidade – já que a lei estabelece que todos os litígios sejam solucionados no prazo máximo de 180 dias e menor custo para as partes envolvidas, bem como menor desgaste no relacionamento.

Considerada uma das associações mais antigas e tradicionais do estado, com 80 anos de fundação, a ACISA possui cerca de 4 mil associados e a atual diretoria trabalha de forma voluntária em prol do empresariado e desenvolvimento econômico regional do Grande ABC

MP & Rossi Comunicações.

Leia> O Brasil Sobre Rodas.

COPERSUCAR ABRE INSCRIÇÕES PARA PROGRAMA DE ESTÁGIO 2018

A Copersucar está com inscrições abertas para a nova turma do Programa de Estágio, para trabalhar em São Paulo ou em Santos (SP). A segunda edição da iniciativa terá dez vagas para estudantes de Ensino Superior, que se formam de dezembro de 2019 a julho de 2020, nos cursos de Administração, Economia, Contabilidade, Engenharias (Produção, Mecânica, Segurança do Trabalho e Computação), Direito, Matemática, Estatística e Ciências Tecnológicas.

Os candidatos para as oportunidades em São Paulo atuarão nas áreas de Inteligência de Mercado, Planejamento Integrado e Qualidade, Comercial Açúcar, Trading, Processos, Projeto e Sistemas, Controladoria, Jurídico e Logística. Em Santos, são vagas para as áreas de Manutenção Mecânica e Segurança do Trabalho.

Os selecionados trabalharão de segunda a sexta, em carga horária de seis horas por dia, e receberão bolsa-auxílio (compatível com o mercado), vale-transporte, vale-refeição, seguro de vida e plano de saúde. O programa começa em agosto deste ano.

O propósito do Programa de Estágio Copersucar é estimular um plano de carreira, contribuindo para o planejamento do futuro com a formação de uma boa base no presente. As áreas escolhidas são consideradas importantes para o desenvolvimento de profissionais especializados.

As inscrições vão até o dia 11 de junho de 2018 (segunda-feira). O programa é realizado em parceria com a Cia de Talentos, consultoria especializada no recrutamento de estagiários. 

Para se inscrever, o candidato deve acessar: 

A Copersucar é líder global na comercialização de açúcar e etanol. Seu modelo de negócio, considerado único, combina a oferta em larga escala de produtos de alta qualidade com um sistema integrado de logística, transporte, armazenamento e comercialização, no Brasil e no mercado internacional. Visite: www.copersucar.com.br.