terça-feira, 19 de setembro de 2017

SERVIÇO INÉDITO OFERECE ASSINATURA MENSAL DE ROUPAS EM LOCAÇÃO.


Qual mulher nunca sonhou em ter o guarda-roupas repleto de roupas novas, modernas e atuais? Esse é o sonho de dez entre dez mulheres, mas nem sempre isso é possível. Muitas vezes, as peças adquiridas a valores que nem sempre cabem no bolso, são usadas uma única vez, em ocasiões distintas, e ai daquela que repetir o modelito. Pensando nisso, a administradora Amanda Mariko levou a Curitiba o "Nosso Closet", um conceito inovador em moda no país: a moda compartilhada.

A modalidade já existe em países da Europa, mas Amanda é a pioneira em oferecer esse serviço em Curitiba. “O conceito de moda compartilhada já é utilizado por nós há bastante tempo, desde quando emprestávamos roupas e acessórios das nossas amigas e primas”, diz Amanda.

O "Nosso Closet" é um serviço de assinatura mensal de locação de roupas por 30 dias. Com o valor de R$ 99,90 mensais, debitados diretamente do cartão de crédito da assinante, a pessoa pode retirar até seis peças entre roupas e acessórios por mês. O acervo conta atualmente com mais de 250 peças de vestuário. Estão disponíveis modelos femininos, calças, blusas, saias, vestidos, roupas sociais, exceto vestidos de festa, e mais de 50 acessórios entre colares, brincos, pulseiras e bolsas. A assinatura pode ser cancelada a qualquer tempo, sem fidelização ou cobrança adicional.

A loja atende somente com horário marcado e de acordo com a disponibilidade da cliente. “Como não somos uma loja de rua, atendemos em horários marcados e diferenciados, inclusive aos finais de semana e fora do horário comercial, para que a cliente tenha a comodidade de provar e escolher as peças de acordo com a sua vontade, sem pressa”, afirma Amanda.

A maioria das peças é nova, algumas com etiquetas ainda, muitas de grifes conceituadas, como Zara e a grife curitibana Amollite. O acervo passará por renovação constante. “Toda semana, vamos ter cerca de duas a três peças novas”, conclui a empreendedora. Saiba mais no www.facebook.com/nossoclosetcwb.

domingo, 17 de setembro de 2017

CHUMBO GORDO.
Por Carlos Brickmann*

CADA CRIME COM SEU NOME

Vamos falar claro: nenhum empresário deu propina a políticos, nenhum político recebeu propina. A palavra propina é sinônimo de “gratificação”, ou “gorjeta”, agradecimento livre e espontâneo pela prestação de bons serviços. Não é crime. “Gorjeta” deriva de “gorja”, garganta – algo como “tome uma dose”. Equivale ao francês “pour boire” – para beber. O que esses empresários fizeram foi “suborno”; Suas Excelências foram “subornados”. Todos os envolvidos no suborno cometeram crime.

Os “malfeitos” de que falava Dilma chamam-se crimes. A delação premiada foi essencial para desmascarar esse tipo de práticas. Mas deixemos de lado os eufemismos: aproveitemos as revelações da delação e desprezemos os delatores. São “caguetas”, “dedos-duros”, “alcaguetes”, “X9” - seres desprezíveis, que jogam cúmplices no fogo para salvar os próprios rabos sujos. Seres que não se envergonham de ostentar, perante filhos e família, a pena reduzida, o símbolo da traição. Visitar o cúmplice para gravá-lo? São traidores. Que tenham tido tantos privilégios para fazer coisas tão feias mostra o nível de bandalheira a que chegou a moral do país.

Na zona não há santos. Os ingleses diziam que um cavalheiro não ouve a conversa dos outros (diziam, mas ouvem; dizer era a homenagem que o vício presta à virtude). No Brasil do vale-tudo, em que milícias de policiais disputam com bandidos o controle da bandidagem, nem se faz, nem se diz.

A novilíngua

Todo esse esforço para amenizar o nome tradicional dos crimes lembra um romance clássico de George Orwell, 1984. Num Estado totalitário, em que os habitantes são permanentemente monitorados por câmeras, em que até o sexo tem de ser autorizado, tenta-se mudar o idioma para uma tal Novilíngua, em que certos conceitos desapareceriam, na falta de palavras para designá-los.“Liberdade”, por exemplo, era uma palavra politicamente incorreta. Aqui, em vez de cuidar da urbanização, saneamento, transporte, passa-se a chamar favela de “comunidade”, como se isso mudasse alguma coisa. A máfia de larápios que se entupiu de dinheiro para trair eleitores vira um grupo que “recebeu propina”. Queremos clareza: ladrão é ladrão.


E, veja, é médico!

Muita gente aqui tem amigos que de vez em quando viram inimigos mas logo voltam a ser amigos. Lula sempre tratou Antônio Palocci, coordenador de sua campanha vitoriosa à Presidência, seu ministro da Fazenda, indicado por ele para coordenar a campanha de Dilma, imposto por ele para a Casa Civil da nova presidente, como amigo de fé e irmão camarada, daqueles de se guardar do lado esquerdo do peito (lado do coração e da carteira).Agora, caguetado, eis o que disse do amigo Palocci, que pelo jeito agora é inimigo, para Sérgio Moro: “É médico, frio, calculista, simulador”. Que é que significa, na frase, “médico?” Um dia Lula diz “Conheço o Palocci bem. Ele é tão esperto que é capaz de simular uma mentira mais verdadeira que a verdade”. “Ele espertamente diz ‘não é que sou santo’, e pau no Lula”.

Amigos, amigos...

Do lado do procurador-geral Rodrigo Janot, a surpresa veio de onde ele menos esperava: de seu colega mais próximo, o procurador Marcelo Miller. Miller, um dos coordenadores da caguetagem dos dois Batista, demitiu-se da Procuradoria e começou a trabalhar no escritório de advocacia que defende os irmãos que dedaram Michel Temer. Não é comum, mas a lei permite – só que surgiram suspeitas de que Miller já orientava a defesa dos dois alcaguetes enquanto estava na Procuradoria. A Polícia Federal tem certeza de que as suspeitas são verdadeiras. Janot obteve a prisão de Miller.

...negócios à parte

Enquanto cuida da frente interna, Janot aproveitou seus últimos dias como procurador-geral (a partir desta semana, o cargo é de Raquel Dodge) para apresentar nova denúncia ao Supremo contra o presidente Michel Temer e o Quadrilhão do PMDB; Segundo a denúncia, o grupo, chefiado por Temer, incluía os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, mais Eduardo Cunha, Rodrigo Rocha Loures, Geddel Vieira Lima, Henrique Eduardo Alves – estes quatro já presos. As fraudes em contratos da Caixa, Furnas, Petrobras, ministérios da Agricultura e da Integração, Secretaria da Aviação Civil e Câmara dos Deputados atingiriam R$ 587 milhões.

Calma no Brasil

A denúncia será agora examinada no Supremo. Se aceita, vai à Câmara, que terá de autorizar a abertura de inquérito. Não é fácil: se 172 deputados votarem contra, ou simplesmente não aparecerem, o pedido é rejeitado.

A festa do caqui

Joesley foi preso com um terço nas mãos (os outros dois terços não apareceram). Geddel chorou (e explicou: teme ser estuprado). Wesley, irmão de Joesley, diz que seu crime foi virar delator. Foi mesmo. Feio, né?








Carlos Brickmann - carlos@brickmann.com.br - é Escritor, Jornalista e Consultor, diretor da Brickmann & Associados Comunicação - www.brickmann.com.br
Siga: @CarlosBrickmann
Leia o Chumbo Gordo, informação com humor, precisão e bom senso - contato@chumbogordo.com.br.

sábado, 16 de setembro de 2017

CASA DA MÃE JOANA.
Por Marli Gonçalves*

BURACO BRASIL

Eu bem poderia escrever, sei lá, sobre rock n`roll. Ou sobre a possibilidade de enfrentarmos um grande e grave racionamento de água e energia. Ou sobre os constantes atentados na Europa ou mesmo sobre a bomba maldita voando sobre o Japão. Mas não dá. Sinto muito. Tem mesmo de escrever sobre o buraco cheio de lama em que estamos atolados por causa dessa gente, que agora, ainda por cima, deu de querer censurar as coisas. Tem de reclamar, alertar a todos que estamos vivendo momento perigoso, sombrio.

Que pobreza! Não merecíamos isso. Um país bonito por natureza, cheio de possibilidades, ficando para trás, cada vez mais trás, lá na lanterninha.

Sabe aqueles noticiários sobre inspeções surpresa que a polícia costuma fazer nas celas das prisões em busca de celulares, armas e drogas? Reviram os colchões pelo avesso, procuram túneis de fuga. Pois foi essa a exata imagem que veio à minha cabeça quando soube que mais um - mais um, dois, três, quatro, cinco, mil... - Ministro, desta vez o multimilionário Blairo Maggi, estava com todas as casas por onde passa sendo minuciosamente revistadas.

 Repara que não está sobrando um, e isso não pode ser normal. Não é normal. Não podemos considerar normal, e acabar nos acostumando, o que aparenta claramente já estar acontecendo. Tudo quanto é presidente, ex-presidente, ministro, ex-ministro, mais os lacaios todos, os asseclas... Pior: os do passado, do presente, e os de um futuro que talvez até fosse possível, se é que deu tempo de pensarmos em alguém novo e capaz.

Ou, me diga, você ainda se choca com as cabeludas verdades, mentiras, mentidos e desmentidos todo santo dia? Confessa: com cada vez mais enrolados arrolados, já centenas de nomes, de empresas, pululam delatores, se perde boa parte da história. Resta esperar o capítulo do dia, que trará? Já nem sabemos mais exatamente sobre o que eles estão falando.

O país virou uma enorme Casa de Detenção. E passo a temer (não tenho nada que o verbo também seja o nome do homem) que nessa toada poderá ocorrer rebelião.

E o linguajar? São detalhes que talvez você nem preste atenção, mas por conta até da profissão a gente aqui leva em conta, pega o detalhe.

Primeiro, não parece que ninguém queira comunicar nada. Ou estão querendo falar só mesmo com a meia dúzia que poderia vir a comandar essa rebelião ainda possível? Querem falar apenas a essa classe média que anda por aí batendo cabeça em grupelhos, e que estão parindo uns monstrinhos muito dos esquisitos? Que até de censura gostam. Que se alimentam de ódio? Que não entendem nada além do mundinho besta no qual se isolam, e vêm palpitar e nos tirar o direito de decidir.

Como disse, talvez você não tenha reparado, mas, por exemplo, a última nota da presidência falava em realismo fantástico, entre outras expressões pomposas num momento tão importante para quem diz que tem como se defender. Fala logo, não enrola! E o outro, o preso dos 51 milhões, que pede liberdade porque está com medo de ser estuprado? Isso o povo entende direitinho. Fico imaginando os comentários a respeito.

Momento esquizofrênico.

SP, 2017






* Marli Gonçalves, jornalista – Comunicar é arte que se faz, mas só com sinceridade; senão precisa falar, falar, falar, para ninguém entender nada mas ficar achando que entendeuTenho um blog. Divertido e informante ao mesmo tempo, no marligo.wordpress.comEstou no Facebook e no Twitter. e-mails: marli@brickmann.com.br e marligo@uol.com.br. Visite o "Chumbo Gordo": www.chumbogordo.com.br.

FISHING RAPTOR VAI EXPOR SEUS MODELOS 330 ST E 375 NO SÃO PAULO BOAT SHOW.

Versáteis, as lanchas podem ser utilizadas tanto para lazer com a família quanto para esportes náuticos, como a pesca oceânica, e cruzeiros de longa distância.

Por mais um ano consecutivo, a Fishing Raptor levará dois de seus modelos consagrados no mercado nacional e internacional ao São Paulo Boat Show, de 21 a 26 de setembro. As embarcações expostas: a Fishing 330 ST e a Fishing 375 Solarium são opções que se diferenciam pela versatilidade de uso já que podem ser utilizadas tanto para lazer quanto para a prática de esportes náuticos, como é o caso da pesca oceânica e do mergulho. Ideal tanto para quem prefere passeios rápidos ou para quem gosta de navegar longas distâncias ou em águas mais agitadas sem abrir mão de espaços para pernoite e relaxamento.

“A aceitação do mercado pelas lanchas da Fishing é cada vez maior. Recentemente entregamos diversas embarcações para clientes de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Brasília. E a nossa expectativa é de produzir até o final do ano cerca de 30% mais embarcações, em relação ao ano anterior. Com certeza participar do São Paulo Boat Show ajudará neste processo já que o público terá a oportunidade de visitar pessoalmente modelos de sucesso da marca”, avalia um dos diretores da Fishing Raptor Allan Cechelero.

Entre os diferenciais das lanchas da Fishing Raptor destaque para a segurança dos cascos seus cascos insubmergíveis, além da resistência construtiva e desempenho para navegação em cruzeiros mais longos. A motorização para garantir alta performance e desempenho nas águas pode ser customizada pelo cliente. Outros itens como pintura externa, revestimentos e até mesmo as madeiras utilizadas na embarcação também poderão ser escolhidas pelo proprietário.

Fishing 330 ST


Conforto e esportividade são as principais características da Fishing 330 ST. Com 9,60 metros de comprimento é uma lancha cabinada com capacidade para receber até 12 pessoas durante o dia e 4 pessoas para pernoite. Para garantir o relaxamento e diversão a bordo, o exterior da embarcação tem excelente aproveitamento de espaços. Conta com solário em sua proa (parte frontal) e área para refeições na praça de popa (parte traseira) próxima ao comando principal, com duas poltronas ergonômicas de pilotagem, garantindo a interação entre os convidados. Sofá com espaço para armazenamento é mais uma característica. No deck inferior possui uma cama de casal que pode dar lugar a uma mesa para refeições além de cozinha equipada, banheiro fechado e uma cama a meia nau. Pé direito chega a mais de 2 metros o que proporciona mais amplitude ao ambiente. Em termos de motorização pode ter dois MOTORES popa ou de 250 HP A 400 HP cada.

Fishing 375 Solarium


A Fishing 375 Solarium é mais uma lancha da marca que pode ser utilizada para o lazer ou para quem gosta de praticar esportes náuticos como é o caso da pesca oceânica e do mergulho. Possui, inclusive, espaços apropriados para guardar, por exemplo, varas e peixes além de guarda volume no deck principal. Outro diferencial é a amplitude da proa (parte frontal) que possui solário, sofá com espaços para armazenamento e geleiras em ambos os lados sem prejudicar a circulação dos convidados. O posto de comando central, além de modernos equipamentos de navegação, conta com banco ajustável para o piloto. Um dos opcionais da Fishing 375 Solarium é a instalação de espaço gourmet com churrasqueira e pia na praça de popa (parte traseira). No interior, cama de casal, banheiro, armários e cozinha são características. Dependendo da motorização escolhida - que pode variar de 2 motores de 300 HP ou 3 de 400 HP – pode chegar a uma velocidade máxima de 65 nós.


Rotas Comunicação.

Leia> O Brasil Sobre Rodas. 

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

HELIBRAS ENTREGA 16º FENNEC PARA 1º BATALHÃO DE AVIAÇÃO DO EXÉRCITO.


A Helibras entregou mais um Fennec modernizado para o 1º Batalhão de Aviação do Exército (1º BAvEx). Esta foi a segunda aeronave entregue no ano e a 16º do contrato firmado em 2011, que prevê a modernização de 36 unidades.

O helicóptero, na versão militar do tradicional Esquilo, ficará baseado em Taubaté (SP). A aeronave modernizada, que está sendo utilizada no treinamento dos pilotos para familiarização, recebeu um Sistema Glass Cockpit, novos Sistemas de Comunicação e Navegação digital, Piloto Automático dois eixos, novo Braço de Armamento, entre outros.

Em 2017 está prevista ainda a entrega de outras duas unidades modernizadas do Fennec.


JeffreyGroup Brasil.

Leia> O Brasil Sobre Rodas. 

AMBEV INVESTE MAIS DE R$ 45 MILHÕES EM PROGRAMA DE CONSUMO INTELIGENTE DE BEBIDAS.

A cervejaria Ambev investiu mais de R$ 45 milhões em seu Programa de Consumo Responsável nos últimos três anos. O anúncio inédito foi feito nesta sexta-feira (15) data que marca a oitava edição do Dia de Responsa, evento anual da companhia em prol do consumo inteligente de seus produtos. 

A mobilização também foi adotada pela Anheuser-Busch InBev (ABI), grupo do qual a Ambev faz parte, e hoje é comemorada nos mais de 50 países onde a empresa atua. Só aqui no Brasil, os mais de 32 mil funcionários da cervejaria saem às ruas para visitar bares, restaurantes e supermercados. O objetivo é alertar os profissionais desses pontos de venda e também os consumidores sobre os riscos do consumo indevido de bebidas, ou seja, por menores de 18 anos, em excesso e associado à direção.

“Nosso negócio é celebrar. Queremos fazer parte dos momentos de celebração dos nossos consumidores, sempre com moderação”, explica Bernardo Paiva, presidente da Ambev. O executivo participa do Dia de Responsa na Bahia, visitando bares de Salvador para promover mensagens de consumo inteligente. “Não temos interesse no lucro que vem do consumo indevido das nossas cervejas, ou seja, em excesso, associado à direção e por menores de 18 anos de idade”, afirma.

Ricardo Rittes, vice-presidente da cervejaria, participou da rota nos pontos de venda em São Paulo e comentou sobre o valor investido pela Ambev: “Além de não termos o menor interesse no lucro proveniente do uso indevido dos nossos produtos, nós também fazemos investimentos em iniciativas que ajudem a criar uma cultura de moderação quando falamos de bebidas no Brasil”. Segundo ele, o montante de mais de R$ 45 milhões foi destinado a projetos como o Na Responsa!, que conscientiza famílias e jovens de comunidades de baixa renda em todo o Brasil, e o Road Safety, que busca criar uma coalizão com agentes públicos, privados e da sociedade civil para melhorar a gestão da segurança viária no país.

Além da já tradicional visita aos bares, a Ambev também promoveu em São Paulo uma art battle (em português, batalha de arte) entre o grafiteiro Pardal e os ilustradores Ronah Carraro e Leandro Spett. Na disputa, cada artista pintou um quadro inspirado em uma das três principais mensagens de consumo inteligente: proibição da venda para menores de 18 anos, prevenção do uso de bebidas associado à direção e promoção do consumo moderado. Na ocasião, os funcionários da cervejaria também participaram de uma oficina para produzir lambe-lambes personalizados com mensagens que incentivem a responsabilidade na hora de consumir e vender bebidas alcoólicas.

As ações ajudam a Ambev a contribuir com as metas globais da Anheuser-Busch InBev (ABI), para o consumo inteligente. Anunciados em 2015, os compromissos públicos tem como objetivo promover mudanças nos hábitos dos consumidores e criar uma cultura de moderação em todo o mundo. Entre as metas divulgadas estão: o aumento da participação de produtos não alcoólicos ou com baixo teor de álcool no volume total de vendas da empresa para 20% até 2025; o investimento de, no mínimo, US$ 1 bilhão em campanhas e programas de conscientização dos consumidores nos próximos nove anos; a garantia de que, até 2020, todas as embalagens de cerveja trarão mensagens e orientações sobre o consumo inteligente; e a redução de até 10% do consumo nocivo de bebidas alcoólicas em nove cidades no mundo até 2020.

Programa Ambev de Consumo Responsável

O Dia de Responsa é a principal mobilização anual da cervejaria em prol do Consumo inteligente e integra as ações do Programa Ambev de Consumo Responsável. Desde o seu lançamento, em 2013, o programa já desenvolveu uma série de iniciativas para evitar que menores de 18 anos consumam bebidas alcoólicas, que as pessoas bebam e dirijam ou que consumam em excesso. A companhia está alinhada com a Organização Mundial de Saúde, que definiu essas três prioridades para nortear as ações de combate ao uso indevido de bebidas.

Um importante exemplo da eficiência do esforço conjunto pela prevenção do consumo por menores de 18 anos é o Cidade Responsável, projeto pioneiro da Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil), da qual a Ambev faz parte. Em prática há três anos em São Bernardo do Campo (SP), o programa tem como base seis pilares: educação, saúde, comunidade, compra e consumo, parcerias e comunicação. Com o apoio da prefeitura, secretarias municipais, redes de ensino, hospitais, e dos sindicatos regionais de bares, restaurantes, supermercados, hotéis e lojas de conveniências, o projeto é um verdadeiro trabalho em rede em prol do consumo inteligente em todo o município.

Outra importante ação em rede é o Na Responsa!. Por meio da cultura, do esporte e do lazer, o projeto forma uma juventude mais saudável e consciente. O programa da Ambev atua em parceria com ONGs no Brasil para conscientizar famílias e jovens menores de 18 anos em comunidades de baixa renda. Todas as ONGs desenvolvem atividades com os jovens de suas comunidades, além de mobilizar comerciantes locais. Os projetos são acompanhados de perto pela Ambev, que ajuda no desenvolvimento, dando suporte e organizando workshops para que as instituições compartilhem experiências e melhores práticas. Desde 2010, o Na Responsa! já impactou mais de 24 mil jovens, capacitou 7 mil educadores e  lideranças comunitárias e atingiu mais de 9 milhões de pessoas por ações de comunicação.

Para citar mais um exemplo, a Ambev também promove o Bar de Responsa, uma ampla plataforma de treinamento sobre consumo inteligente para profissionais que servem e vendem bebidas alcoólicas em bares, restaurantes e eventos. Só neste ano, a cervejaria já treinou cerca de 34 mil profissionais para a promoção do consumo responsável durante grandes eventos que patrocina, como Carnaval de Rua de São Paulo, Salvador, Minas Gerais e Brasília, Festas de São João e Festas do Peão de Barretos e Americana.

Além disso, a companhia liderou a criação de uma coalizão com agentes públicos, privados e da sociedade civil para melhorar a gestão da segurança viária no país. Em 2015, a iniciativa contribuiu para o lançamento do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo. De forma alinhada com os objetivos da Década da Segurança Viária lançada pela ONU, o Movimento tem a meta de reduzir em 50% a projeção de mortes no trânsito até 2020, salvando 20 mil vidas. Em 2016, a iniciativa também foi levado caminha para o Distrito Federal, com o lançamento do programa Brasília Vida Segura.

Grupo Máquina.

Leia> O Brasil Sobre Rodas.  

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

EDUCAÇÃO.
Por José Renato Nalini*

Ensinar por vocação

Ensinar é uma vocação inigualável. Na escala das profissões, o magistério merece estar à frente de todas as demais. O professor é quem desperta a infância para a complexidade, mas também para a beleza e a exuberância da vida. Um bom começo, nos anos iniciais da criança, é certeza de um futuro digno. Por isso a preocupação das pessoas de bem, com a adequada formação do professor.

Nesse campo, uma excelente notícia - e o Brasil precisa de notícias boas! - é a criação da Faculdade SESI de Educação. Ela se propõe a oferecer o que há de melhor e mais atualizado na formação e no aperfeiçoamento de profissionais da educação básica, exatamente a maior carência da escola brasileira.

Os cursos de graduação incluem licenciatura em Ciências Humanas - Geografia, História, Filosofia e Sociologia, em Ciências da Natureza - Física, Química e Biologia, em Linguagens - Português, Inglês e Arte e em Matemática. Além disso, manterá cursos de Pós-Graduação na esfera da especialização, de acordo com as exigências do MEC, a par de cursos de extensão e de aperfeiçoamento, oficinas e encontros de trabalho.

A promessa é de um novo paradigma na formação de professores para a educação básica, mediante formação por área do conhecimento, de maneira a assegurar domínio dos conteúdos e articulação de diferentes componentes curriculares. A residência educacional é o estágio supervisionado desde o primeiro ano. Com ela, o futuro mestre aprende o que ensinar e como ensinar. Articular-se-á, de forma colaborativa, com uma das maiores e melhores redes de escola do Brasil, o sistema SESI, mas também colaborará com escolas públicas e privadas de todo o Estado de São Paulo.

Garantirá a empregabilidade, pois os professores formados pela Faculdade SESI terão a oportunidade de atuar, logo que formados, como profissionais contratados pelas 167 escolas SESI do Estado. Não se descuidará das novas tecnologias e inovações curriculares e esse compromisso tem o aval do responsável pela implementação da Faculdade SESI de Educação, o prestigiado e experiente educador CESAR CALLEGARI, que já foi Secretário da Educação e que integra o Conselho Nacional de Educação como um de seus mais notáveis integrantes. 








José Renato Nalini é secretário da Educação do Estado de São Paulo, Imortal da Academia Paulista de Letras e Membro da Academia Brasileira da Educação. 
Visite o blog: renatonalini.wordpress.com.


Leia> O Brasil Sobre Rodas.  

A AIRBUS REMODELARÁ O MERCADO DE OBSERVAÇÃO DA TERRA.


A produção dos quatro novos satélites de alta resolução da Airbus, que juntos formarão a constelação Pléiades Neo, está bem no prazo para seu lançamento em 2020. Eles se juntarão à já líder mundial constelação de satélites ópticos e de radar, e oferecerão um desempenho aprimorado e a maior reatividade do mercado, graças ao seu acesso direto ao sistema de comunicação por retransmissão de dados conhecido como SpaceDataHighway.

Este primeiro lote de quatro muito ágeis satélites ópticos duplicará o número de visitas por dia em qualquer lugar da Terra e oferecerá uma taxa de atualização de tarefas cinco vezes maior que a das constelações anteriores. Cada satélite acrescentará à oferta da Airbus meio milhão de km² por dia a 30 cm de resolução. Essas imagens serão transmitidas para a plataforma online OneAtlas, permitindo que os clientes tenham acesso imediato a dados, análises, e correlação com o exclusivo arquivo de dados ópticos e de radar da Airbus.

“Com a Pléiades Neo, teremos a constelação de alta resolução mais avançada oferecida tanto para aplicações governamentais quanto comerciais, com outros quatro satélites acrescentados à nossa frota Airbus existente de 10 satélites acessíveis de observação da Terra”, disse Evert Dudok, Diretor de Comunicações, Inteligência e Segurança da Airbus Defesa e Espaço. “O fato de a Pléiades Neo estar equipada com a mais recente tecnologia de comunicações com laser oferece aos nossos clientes uma vantagem de velocidade que será incomparável ainda por muito tempo em nosso setor”.

A Pléiades Neo utilizará o SpaceDataHighway para assegurar ao sistema a maior reatividade, menor latência e transferência de dados de alto volume. Graças à grande largura de banda de comunicações, possibilitada por lasers de até 1.8 Gbit/s e o posicionamento da órbita geoestacionária dos satélites de retransmissão, até 40 terabytes por dia podem ser transmitidos de forma segura em tempo quase real para a Terra, em comparação com o atraso de várias horas às vezes experimentado hoje. Os quatro satélites estarão equipados com terminais reativos de banda Ka que permitirão atualizações de tarefas de última hora, mesmo que os satélites estejam fora da linha de visão das estações terrestres. Este é um ativo importante para os clientes, quando se trata da avaliação de desastres naturais e de resposta imediata para aplicações civis e militares.

Os terminais de laser integrados de última geração são otimizados em termos de energia, e economizarão 60% em termos de massa e tamanho em comparação com os terminais usados hoje. Eles são projetados pela Tesat Spacecom e desenvolvidos sob uma parceria entre o Centro Aeroespacial Alemão (DLR) e a Airbus.

JeffreyGroup Brasil.

Leia> O Brasil Sobre Rodas.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

AIRBUS PREPARA O FUTURO PROGRAMA EUROPEU DE COMUNICAÇÕES POR SATÉLITE.


A Airbus foi contratada pela Agência Espacial Europeia (ESA) para produzir um demonstrador para o futuro programa de Comunicações Governamentais Europeias por Satélite (GOVSATCOM). Com o apoio da Comissão Europeia, da Agência Europeia de Defesa (EDA) e da ESA, o GOVSATCOM tem como objetivo proporcionar serviços protegidos de comunicações por satélite aos principais países, organizações e operadores europeus. O programa deverá ser lançado até 2020 e segue os passos dos principais programas europeus como o Copernicus, o Galileo e o EDRS-SpaceDataHighway.

O contrato de demonstração terá duração de dois anos e compreende duas partes. A primeira envolve a produção de um sistema de compartilhamento dinâmico de capacidades de satélite. O núcleo do sistema terrestre é baseado na tecnologia Newtec Dialog desenvolvida pela empresa belga Newtec, e será instalada na unidade da Airbus em Toulouse. O sistema será operado por diferentes entidades governamentais europeias e empregado especialmente em teatros de operação no exterior. Um demonstrador completo do sistema ilustrará a atratividade, a flexibilidade e a simplicidade dos serviços propostos.

A segunda parte do projeto engloba um desenvolvimento tecnológico projetado para melhorar o desempenho da plataforma Newtec Dialog. O objetivo é extrair todos os benefícios possíveis do agrupamento de capacidades da futura geração de satélites governamentais, cujas áreas de cobertura serão configuráveis ​​em tempo real. A inovação permitirá que os usuários de dispositivos móveis mudem transparentemente de um feixe de satélite para outro, enquanto protege a confidencialidade de suas operações.

Este contrato de demonstração vem na sequência de dois estudos de projeto nos quais a Airbus participou entre 2015 e 2017 em nome da ESA e da EDA, respectivamente. Esses estudos serviram para definir e quantificar a natureza das necessidades dos usuários governamentais europeus e avaliar as diversas tecnologias e arquiteturas do programa GOVSATCOM, bem como as vantagens do modelo de “agrupamento e compartilhamento”.

O programa GOVSATCOM deverá inicialmente focar essencialmente no agrupamento e compartilhamento dos recursos de comunicações fornecidos pelos satélites governamentais e satélites de operadores comerciais já em órbita. O projeto de demonstração desenvolvido pela ESA e a Airbus faz a preparação para este primeiro passo, que também recebe o suporte da EDA, com catorze países da União Europeia (Áustria, Bélgica, Estônia, França, Alemanha, Grécia, Itália, Lituânia, Luxemburgo, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia e Reino Unido) e mais a Noruega tendo concordado em junho de 2017 com o desenvolvimento de um demonstrador para agrupar e compartilhar capacidades de comunicações por satélite.

Como integrador do segmento terrestre e fabricante e operador de satélites de comunicações, a Airbus já fornece sistemas de comunicações por satélite aos governos de países europeus como a França, Alemanha, Reino Unido e Noruega, bem como para a EDA e a OTAN.

JeffreyGroup Brasil.

Leia> O Brasil Sobre Rodas

GERADORES CAT® ASSEGURAM ENERGIA PARA A CRIAÇÃO DE CAMARÕES E AJUDAM A PRESERVAR O MEIO AMBIENTE.

Manter a energia funcionando 24 horas por dia é uma medida indispensável para as fazendas fornecedoras de crustáceos. Preocupada com a qualidade da sua produção, a Camanor Produtos Marinhos, uma das maiores criadoras de camarões do Brasil, situada em Barra do Cunhaú, no litoral do Rio Grande do Norte, adquiriu um pacote de Grupos Geradores da Sotreq, empresa com 75 anos no mercado e uma das maiores provedoras de soluções, produtos e sistemas Cat®.

“Nossa fazenda recebe a pós-larvas com 10 miligramas e coloca no viveiro para crescer até 18 gramas em um ciclo de 110 dias, em média. Não pode faltar energia por mais de 15 minutos, caso contrário, os camarões morrem e o prejuízo é imenso. Energia constante e de qualidade é vital para a carcinicultura [cultura de crustáceos]. Por isso, escolhermos a Sotreq para ser nossa parceira nesse desafio”, explica Werner Jost, fundador da empresa.

A energia é necessária para a realização do tratamento biológico e mecânico da água. Isso tem relação, primeiramente, com a oxigenação (máquinas injetando oxigênio na água o tempo todo) e, segundo, para manter a água em movimento constante – a agitação garante que os alimentos circulem entre os camarões e que as bactérias e a carga orgânica não fiquem no fundo do viveiro.

“Tanto em termos de volume de produção, quanto de tecnologia, a Camanor está suportada pelos equipamentos Cat®, e possui em sua infraestrutura sete grupos geradores modelos C18, de 750 kVA cada. Os Grupos de Geradores Cat® e o Suporte ao Cliente da Sotreq estão aptos para garantir que o fornecimento nunca seja interrompido”, comenta Eduardo Marchiori, Coordenador de Vendas da Sotreq.

Mancha branca

A preocupação com a compra dos geradores e implementação de novas tecnologias surgiu após um episódio, ocorrido há alguns anos, em que a Camanor sofreu com a perda de toda a sua produção por causa da “mancha branca”, um vírus que não tem efeito para o homem, mas que dizima os camarões e é considerado uma das maiores ameaças no mundo.

“Na época, quase falimos, mas aprendemos a lição”, conta Jost. Em 2013, a empresa desenvolveu o AquaScience, tecnologia de produção que inclui recirculação, tratamento e reutilização de água, tudo interligado em um único sistema de produção, onde cada um completa o espaço deixado pelo outro de forma sincrônica e que conta com o aporte dos grupos geradores.

E o resultado foi positivo. Em 2016, enquanto 90% das fazendas do Ceará e Rio Grande do Norte, que formam o principal polo da carcinicultura brasileira, tiveram sua produção bem comprometida pela “mancha branca”, a Camanor não sofreu transtornos em sua produção. Isso porque com o AquaScience, toda a carga orgânica produzida é reprocessada dentro do próprio sistema. Ou seja, a mesma água circula durante todo o ciclo de 110 dias, o equivalente a 10% da água usada em um sistema clássico de aquicultura.

Ao recolher o camarão, ela é drenada dos viveiros para um canal e jogada em um reservatório que não tem contato com o meio ambiente. “Depois, bombeamos essa água de volta para os viveiros: a sobrecarga de material orgânico que seria danosa para o ecossistema é boa para os viveiros de camarões”, analisa Jost. O AquaScience recebeu o selo de Sustentabilidade do Instituto Chico Mendes e um prêmio internacional de inovação tecnológica do GAA – Global Aquaculture Alliance.

Produção

Atualmente, a Camanor produz 2100 toneladas de camarão por ano em 22 hectares, mas a meta é que nos próximos 18 meses dobre a produção e a área.  Jost explica que existem dois tipos de culturas de camarões: de baixa e alta densidade. A primeira vai de um camarão por metro quadrado ou mesmo de um a cada 10 m².

“Trabalhamos em alta, com 350 camarões por m² e caminhamos para dobrar essa densidade para 700 por m², descreve. Entre 2002 e 2008, a Camanor foi a maior produtora do Brasil e a maior exportadora.  “O que nós encontramos na Sotreq é um fornecedor de confiança. Não basta o produto: é preciso o suporte. E para nós, o gerador é um produto de importância vital”, finaliza Jost.

Com 75 anos de atuação no Brasil, é uma das maiores provedoras de soluções customizadas, produtos e sistemas Cat®. Atualmente, a organização possui filiais distribuídas nas regiões Sudeste, Centro-Oeste, Norte e Nordeste do Brasil, oferecendo suporte completo em peças, serviços, contratos e tecnologia. Visite: www.sotreq.com.br.

Dezoito Comunicação.

Leia> O Brasil Sobre Rodas