segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

VOLARE REGISTRA DESEMPENHO RECORDE NAS EXPORTAÇÕES.


A Volare, unidade de negócios da Marcopolo S.A. e fabricante de veículos leves para o transporte de passageiros, registrou em 2016 desempenho recorde nas exportações. O resultado contribuiu para ampliar a presença da marca em importantes países da América Latina, África, Oriente Médio e Ásia.

Com volume de 445 unidades exportadas para 21 países (melhor resultado já obtido), a fabricante alcançou crescimento de cerca de 80% em relação a 2015, quando exportou 254 veículos para 14 países. Os novos mercados foram Camarões, Colômbia, Costa do Marfim, Emirados Árabes, Guatemala, Hong-Kong, México e Miamar.

“Com a grande expansão registrada em 2016, a Volare passou a contar com rede de distribuidores com vendas e pós-vendas em 38 países”, enfatiza Rodrigo Bisi, gerente de exportação da empresa. Os modelos mais exportados foram o W-L, o maior produzido pela marca e com capacidade para até 36 passageiros, o W9 e o V9L, ambos com PBT de 9 mil kg e que proporcionam diferentes configurações, tanto para turismo e fretamento, com amplo espaço e conforto, quanto para o transporte urbano, pela sua maior capacidade.

“A presença da Volare cresceu muito em países da América Latina, como Bolívia, Chile e Peru, mas também estamos presentes na Ásia e no Oriente Médio, em dois centros relevantes de desenvolvimento, como Hong-Kong e os Emirados Árabes Unidos”, salienta Bisi.

“As exportações representam mais de 30% do total de veículos vendidos pela Volare em 2016, percentual expressivo e inédito”, finaliza Rodrigo Bisi. Para este ano, a marca pretende intensificar a sua participação nesses mercados conquistados e aumentar o volume de veículos exportados em 20%. 

Foto: Gelson Melo da Costa.

CUMMINS PROMOVE TREINAMENTO DE MOTORES AO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO.


Em contribuição com as ações do Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo, cuja missão é proteger a vida, o patrimônio e o meio ambiente para o bem estar da sociedade, a Cummins Brasil promoveu por duas vezes no último trimestre do ano passado, o treinamento "Familiarização, Operação e Manutenção de Motores Eletrônicos", com duração de quatro dias por curso.

O treinamento ministrado pela maior fabricante independente de motores Diesel ocorreu no Centro de Suprimentos e Manutenção de Material Operacional do Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo, localizado na capital e responsável por operacionalizar as manutenções mais complexas da frota composta hoje por 3 mil veículos, sendo que 1/3 deste total é de veículos pesados.

A Cummins ainda cedeu à corporação militar a utilização dos softwares INSITE e um dispositivo de comunicação Inline que, integrados, permitem o monitoramento e o diagnóstico de falhas por meio da leitura dos dados do módulo eletrônico dos motores Cummins. Outra ferramenta disponibilizada foi o “Quick Service on Line”, aplicativo na Internet, que permite consultar por meio do número de série do motor quais são as peças genuínas.

Com aulas teóricas e práticas, a Cummins atingiu um total de 22 profissionais entre mecânicos que atuam com a frota de todo o Estado, soldados, cabos e sargentos, ou seja, profissionais considerados multiplicadores de conteúdo. “Nesta metodologia da Cummins, o número de pessoas foi restrito de forma a garantir a qualidade do entendimento da temática ministrada”, diz Valter Silveira Rocha, responsável por ministrar o curso e Especialista de Treinamento Técnico da Cummins Brasil.

“Tivemos aderência ao treinamento, passamos valores de forma a acrescentar com o trabalho diário destes profissionais, com qualidade de informação técnica, contendo conceitos que vão contribuir em muito com o dia a dia destes profissionais. A receptividade foi muito boa e estamos muito felizes em contribuir com esta corporação que presta um serviço tão nobre à sociedade”, afirma Ricardo Schalch, gerente de Vendas de Motores Cummins Brasil.

O treinamento "Familiarização, Operação e Manutenção de Motores Eletrônicos " inclui conceitos de motor, filtragem, cuidados e importância da manutenção preventiva como troca de óleo, filtros, líquido de arrefecimento, entre muitos outros. “Foi uma grande experiência até em termos de atualização de conteúdo para esses profissionais, já que desde 2012, os motores passaram a ser eletrônicos. E ver essa frota em funcionamento, é termos a certeza de que estamos cooperando com o trabalho deles, salvando vidas”, comenta Rocha. Para este ano, a Cummins Brasil quer dar continuidade nos treinamentos ao Corpo de Bombeiros de outros estados, por meio de sua Rede de Distribuidores.


domingo, 19 de fevereiro de 2017

CASA DA MÃE JOANA.
Por Marli Gonçalves*

UMA INDIGESTA SOPA DE LETRINHAS

Começo de ano já é bravo por si só: é IPVA, IPTU, IR e outros famigerados. Mas esse mês de fevereiro impressiona ainda mais. De um lado a corda puxa, para tentar puxar o saco da rapaziada, e começa a sacudir o F, o G, o T, o S - liberando coisa de ativo, inativo, passivo - como se isso fosse a redenção nacional em um saco de bondades que de vez em quando abre a boca e solta pérolas; de outro a turma da mão que vive embalando o berço bate igual à água mole em pedra dura com o L, o U, o L novamente e o A. Cada passinho para frente eles aparecem chamando molusco de meu loiro.

Não estou acreditando que a gente ainda esteja nessa. Que ainda haja gente brigando por causa deles. Custa muito admitir que a decepção é total, ampla e irrestrita ou é mais legal ficar pendendo de um lado ou outro nessa gangorra infernal, um tampando o olho do outro? Sempre um dos lados se estatela pelo chão, não brincaram já disso na tenra infância?

Ler o noticiário - eu obviamente faço isso não só diariamente como quase o dia inteiro - parece roteiro de filme dos Trapalhões, do Zorra Total. Não digo Praça da Alegria porque aqui não estou vendo nenhuma. No máximo posso citar o Pânico!

Quando a gente acha que a coisa vai mudar, vem mais do mesmo, muito mais, um fardo. E uma incapacidade de comunicação que dá gosto. Por outro lado, os que não querem admitir que sim, ele sabia, ou que sim, vocês todos foram enganados nessa de a turma acabar com a desigualdade social, governo popular, e apenas ter sido um tal de cada um para si e tudo para quem é da corriola, lambendo os beiços dos empreiteiros.

O bombardeio usa letras de todos os tipos e tamanhos. Desde as letrinhas dos institutos de pesquisa que andam por aí perguntando preferências impressas prontas a serem chutadas com respostas reumáticas dois (imprevisíveis ) anos antes. E toma Lula na cabeça, Bolsonaro (!) correndo na raia, Joaquim Barbosa ressuscitando de sua caverna. Aí entram STF e STJ e fica todo mundo dando ordem. Dizendo, desdizendo, jogando peteca. Alguns comemorando o nada, só gás tóxico.

Poupe-nos, Senhor, deste Calvário!

Letrinhas escondem nomes cruelmente bestas e extensos em siglas. CNT, Confederação Nacional do Transporte (Transporte? Pesquisa? Um grita e o outro não escuta); FGTS, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (já e coisa sua, de lei). São como quando formam siglas de órgãos públicos - usadas para que esqueçamos a inoperância contida em seus extensos nomes.

Esquecem ainda umas das regras principais do marketing político: quem antes aparece fica mais tempo à frente da linha de tiro; se o Lula já era alvo, agora está em um paredão com uma artilharia apontada. Ele sabe disso e está incentivando porque, já condenado, quer fazer um último pedido para deixar a galera em brasa. Uma estratégia deveras perigosa.

Vêm aí grandes emoções. Estava pensando em propor um novo quadro para a tevê. Uma nova moça do tempo, mas suas previsões diárias seriam desse nosso tempo político, passível de trovoadas, prisões, delações, reviravoltas, cataclismos, com abalos sísmicos e desmoronamentos. Fora as ventanias, redemoinhos e formação de nuvens.

Já vi, vivi, e imagino onde tudo isso vai parar. Lembrei até de que nos anos 80 foram algumas poucas fotos que abalaram durante um bom tempo o tal líder popular, quando o mostraram numa casa noturna da alta sociedade, charutão e boa bebida, companhias importantes como agora muito mais ainda sabemos o quanto ele gostou de conviver. Sempre gostou. Corre e busca o povo quando vê a coisa feia para seu lado. Chama as duas letras de seu partido e as muitas outras dos agregados movimentos para fazer barulho enquanto ele dança miudinho.

Todo mundo no samba.

Brasil carnavalesco, pausa, 2017.








* Marli Gonçalves, jornalista - O problema é que estamos sem alternativas para preencher os vazios. O Ó. Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no marligo.wordpress.com. Estou no Facebook e no Twitter - e-mails: marli@brickmann.com.br e marligo@uol.com.br. Visite sempre o "Chumbo Gordo": www.chumbogordo.com.br.                   

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

GRUPO PSA INVESTE 200 MILHÕES DE EUROS NO PROJETO DE MODERNIZAÇÃO “SOCHAUX 2022”.

Com o projeto “Sochaux 2022”, que mobilizou uma equipe polivalente da fábrica de Sochaux durante 36 meses, o Grupo PSA demonstra sua ambição de transformar a planta de Sochaux numa fábrica de referência, em pleno coração de uma região histórica para o Grupo.


O objetivo desse projeto estratégico é simplificar um fluxo legado por mais de 100 anos de história industrial e que não permite que a fábrica de Sochaux desenvolva seu pleno potencial em relação às outras plantas industriais do Grupo PSA.

Com o reestabelecimento da coerência em termos da implantação dos prédios, as interrupções do processo poderão ser reduzidas: atualmente, Sochaux é um centro de produção complexo, que ocupa uma área de 200 hectares, possui 24 quilômetros de esteiras e mobiliza dezenas de caminhões todos os dias para movimentar os subconjuntos dos veículos em produção.

Ao término desse projeto de transformação, a fábrica de Sochaux será capaz de atender às variadas expectativas dos clientes graças a um fluxo multi-silhuetas fortemente polivalente, de fabricar seis silhuetas diferentes e terá uma capacidade de produção de 400 mil veículos por ano, superior à média dos 10 últimos anos.

A aquisição de uma nova linha de prensas de grande porte é um feito inédito na França em mais de 20 anos. Trata-se de uma linha de prensas de última geração, com cadência elevada, multipeças e capaz de produzir tanto peças de aço como de alumínio.

“A fábrica de Sochaux produz atualmente veículos emblemáticos do Grupo PSA, incluindo o Peugeot 3008, que registra um sucesso comercial animador, e começará também a fabricar um veículo para a marca Opel. Sei que posso contar com o profissionalismo e o comprometimento total de todos os colaboradores de nossa fábrica histórica, com os quais tive o prazer de trabalhar, para continuarmos a satisfazer as expectativas de nossos clientes atuais e futuros.”, declarou Maxime Picat, Diretor da Região Europa.

A modernização da planta de Sochaux inclui também a reforma de uma oficina de chaparia polivalente e altamente flexível, capaz de acolher em sua diversidade toda a produção da fábrica, assim como a implantação de uma oficina de montagem dentro dos melhores padrões mundiais, no coração da fábrica, alinhada aos outros prédios de produção. A unidade estará assim em linha com os mais elevados padrões mundiais.

Concebida de acordo com os princípios da fábrica do futuro, a planta de Sochaux contará com as mais recentes evoluções em termos de ferramentas digitais, de logística full kitting, e de plataformas móveis onde os operadores trabalharão com melhores condições de ergonomia na fabricação de produtos do mais alto nível de qualidade. As oficinas serão melhor organizadas, pois foram pensadas para o século 21, visando satisfazer os melhores padrões em matéria de ergonomia para os homens e mulheres que trabalham em suas instalações.

As transformações planejadas como parte do projeto “Sochaux 2022” permitirão adequar o berço industrial do Grupo PSA aos princípios do programa 'Fábrica Excelente', garantindo o seu futuro graças a um alto nível de rendimento.

“O projeto "Sochaux 2022, o automóvel desenha o seu futuro", traduz perfeitamente a vontade do Grupo PSA de escrever um futuro industrial na França”, disse Yann Vincent, Diretor Industrial do Grupo PSA.


Grupo PSA.
Comunicação e Imprensa.

CAMPANHA DA CASE SORTEIA RETROESCAVADEIRA ENTRE CLIENTES.


Ação faz parte das comemorações das 30 mil unidades do modelo 580 comercializadas no país.

Está na reta final a campanha lançada pela Case Construction Equipment em comemoração ao marco de 30 mil retroescavadeiras modelo 580 já vendidas no Brasil, comemorado ao longo de 2016.

Até o dia 31 de março, os clientes que adquirirem uma retroescavadeira nova da marca concorrerão a uma unidade da 580N 4x4 cabinada. “Essas 30 mil unidades são o maior número de vendas já feito de um único modelo de máquinas de construção no Brasil”, explica Maurício Moraes, gerente de Comunicação.

A campanha começou em 2016, englobando ações comerciais e de marketing, e pode ser acompanhada nos concessionários da marca, no site www.casece.com.br, pelo Instagram caseconstructionbrasil e na página do Facebook Case Construction Equipment e em vídeos no YouTube.

“A retroescavadeira é a máquina mais versátil do segmento e a 580 sempre esteve na liderança de mercado. É uma máquina de excelente aceitação, além de ter baixo custo operacional, menor consumo de combustível do mercado, robustez, manutenção simples e de baixo custo e alto valor de revenda”, afirma Moraes.

Case Construction Equipment: comercializa e dá suporte a uma linha completa de equipamentos de construção ao redor do mundo, incluindo a primeira retroescavadeira fabricada, escavadeiras hidráulicas, motoniveladoras, pás carregadeiras, rolos compactadores vibratórios, tratores de esteiras e minicarregadeiras. Por meio dos  revendedores CASE, os clientes têm acesso a um verdadeiro parceiro profissional com equipamentos de classe mundial e suporte de pós-venda, garantias líderes de mercado e financiamento flexível. A CASE é uma marca da CNH industrial NV, líder mundial em bens de capital listada na New York Stock Exchange (NYSE: CNHI) e no Mercato Telematico Azionario da Borsa Italiana (MI: CNHI). Mais informações sobre a CNH industrial podem ser encontradas online em www.cnhind.com.

MAN LATIN AMERICA, DE RESENDE PARA O MUNDO.

PREFEITO DE RESENDE VISITA FÁBRICA DA MAN LATIN AMERICA.

e/d: Diogo Balieiro Diniz e Roberto Cortes.

Nesta quinta-feira (16), Roberto Cortes, presidente da MAN Latin America, recebeu Diogo Balieiro Diniz, prefeito de Resende, na fábrica da montadora para reforçar a importância da cidade nos planos da fabricante, responsável pelas marcas Volkswagen Caminhões e Ônibus e MAN.  A empresa vai investir em suas operações em Resende o valor de R$ 1,5 bilhão, oriundos de seu novo ciclo de investimentos que vai até 2021.

“Desde que nos instalamos em Resende, nossa operação teve um salto muito grande em seus resultados. A cidade é um dos pilares de nosso sucesso e nossa vinda proporcionou ganhos de produtividade e eficiência para a operação. A melhor prova é que, até 1996, antes da inauguração da fábrica, tínhamos uma participação de mercado em torno de 15%. A partir daí, crescemos para cerca de 30%, de forma consistente e mantendo por vários anos consecutivos”, afirma Roberto Cortes.

O novo ciclo de investimentos será destinado à constante renovação de sua linha de produtos, na busca de novos nichos de mercado, na atualização das linhas de montagem em sua fábrica de Resende, em inovações e ampliações nos serviços de digitalização e conectividade e na expansão da marca VWCO no mercado internacional. Será o quinto ciclo consecutivo de investimentos no país e também o de maior valor. Os recursos virão prioritariamente dos resultados da própria operação, que confia na recuperação dos mercados latino-americanos.

Segundo o prefeito, a empresa abriu as portas para o desenvolvimento do setor na região, ativando um cenário essencial para a economia local.

“Além de gerador de empregos fundamental para a manutenção da vida de grande parte de nossa população, a chegada da empresa a Resende foi muito importante para a criação e consolidação do polo metal mecânico que temos hoje. Nossa gestão vai caminhar ao lado do desenvolvimento e da ampliação do setor, sendo parceira na potencialização de políticas públicas voltadas para esta finalidade, fundamental para a geração de serviços básicos para a sociedade e para qualidade de vida do cidadão resendense”, ressalta Diogo Balieiro Diniz.

De Resende para o mundo

Em Resende, a MAN Latin America concentra seu centro mundial de pesquisa e desenvolvimento da marca Volkswagen Caminhões e Ônibus, com uma engenharia 100% brasileira. A partir de suas instalações no interior do Estado do Rio de Janeiro, a empresa conceitua todos os caminhões e ônibus Volkswagen que chegarão a mais de 30 países pelo mundo. São 600 engenheiros dedicados a desenvolver veículos para mercados emergentes.

É dentro das instalações da fábrica em Resende que se define e desenvolve a tecnologia e soluções que serão utilizadas nos veículos da marca. Por meio de ferramentas avançadas de engenharia, são criados os projetos de cada produto. O desenvolvimento contempla ainda inúmeros testes com equipamentos de ponta para assegurar a qualidade dos caminhões e ônibus.

Duas décadas do Consórcio Modular

No fim de 2016, a fábrica de Resende celebrou duas décadas de sucesso, com mais de 730 mil veículos produzidos. Em sua inauguração, a fábrica estreou o inovador conceito de Consórcio Modular, sistema em que sete fornecedores dividem com a MAN Latin America a responsabilidade pela montagem tanto de caminhões quanto de chassis de ônibus. A empresa foi também a primeira da indústria automotiva a apostar e a atrair tecnologia de ponta para o Sul Fluminense, inaugurando o polo automotivo onde hoje cinco grandes montadoras e dezenas de fornecedores já estão instalados. 
 

ORIKASSA INICIA SEGUNDO MANDATO À FRENTE DA AEA.

Novas políticas industriais do setor, a última etapa do Inovar-Auto, manufatura avançada (Indústria 4.0) e o Programa Brasileiro de Combustíveis, Tecnologias Veiculares e Emissões (PCVE) estão entre as prioridades da entidade em 2017.


Para o biênio 2017/18, o presidente da AEA – Associação Brasileira de Engenharia Automotiva, Edson Orikassa, apresentou nesta quinta-feira (16) a renovação parcial da nova diretoria que vai priorizar, neste momento importante do setor automotivo brasileiro, entre outros temas, os debates sobre as novas políticas industriais, a última fase do Inovar-Auto, manufatura avançada (Indústria 4.0) e o Programa Brasileiro de Combustíveis, Tecnologias Veículos e Emissões (PCVE).

A nova diretoria da AEA tem Marcos Clemente (vice-presidente), Alfredo Castelli (Eventos), Anderson Suzuki (Comunicação), Carlos Sakuramoto (Manufatura), Eugenio Coelho (Marketing), Flavio Sakai (Conectividade), Gilmar Laigner (Novas Políticas Setoriais), Jefferson Oliveira (Pós-Venda), João Irineu Medeiros (Emissões e Consumo – Leves), Marcelo Massarani (Universidade), Marcello Depieri (Acreditação de Laboratório), Marcio Azuma (Emissões e Consumo – Motos) Marcos Vinicius Aguiar (Relações Institucionais e interino de Segurança Veicular), Nilton Monteiro (Diretor Adjunto), Paulo Jorge Antonio (Emissões e Consumo – Pesados), Rodrigo Giglio (Fora de Estrada e Estacionários), Rogério Gonçalves (Combustíveis), Sidney Oliveira (Administrativo e Finanças) e Simone Hashizume (Lubrificantes).

Visite: www.aea.org.br.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

VW CAMINHÕES E ÔNIBUS FAZ PARCERIA COM A VAI-VAI E ABRE ESPAÇO PARA O CARNAVAL 2017 EM SÃO PAULO.


Os caminhões e ônibus VW já têm presença garantida no Carnaval. 


Este ano a MAN Latin America é uma das marcas que apoiam a Vai-Vai, uma das maiores agremiações do carnaval brasileiro e a grande campeã paulistana, com 15 títulos.

Um caminhão VW ficará à disposição para fazer o traslado das alegorias da sede da escola, no tradicional bairro do Bixiga, região central da cidade, rumo ao Anhembi, na zona norte de São Paulo. Durante os ensaios técnicos, os caminhões VW também entrarão na folia: no ritmo do samba, eles marcarão os encerramentos dos ensaios no sambódromo, quando o público estará se preparando para o desfile oficial, que será acompanhado pelo mundo em 25 de fevereiro.

A ação em conjunto com a Vai-Vai envolve também a participação de colaboradores, parceiros e clientes da VW Caminhões e Ônibus, que acompanharão os ensaios na quadra da escola e também desfilarão na passarela do samba, sob o comando do carnavalesco André Marins.

O enredo traz uma homenagem à cultura brasileira. "No xirê do Anhembi, a Oxum mais bonita surgiu - Menininha, mãe da Bahia - Ialorixá do Brasil" é composto por Edga Cirillo, Marcelo Casa Nossa, Dama da Vai-Vai, André Ricardo, Rodolfo Alves e Leo Rocha.

“É com muito orgulho que apoiamos e valorizamos manifestações culturais de nosso país, como o Carnaval. Nossa história de 35 anos começou aqui no Brasil, e hoje levamos a tecnologia e os produtos brasileiros a mais de 30 países”, afirma Roberto Cortes, presidente e CEO da MAN Latin America.

A parceria é apenas o começo de uma história que renderá muitos capítulos: a MAN Latin America deverá promover, ao longo de todo o ano, apresentações da escola em diversos eventos, levando a tradição do samba a todo o Brasil.

“Acreditamos muito na parceria com a MAN Latin America. É uma empresa com valores convergentes com os da Vai-Vai e que se preocupa com o investimento na cultura brasileira. Estamos trabalhando para uma parceria de longo prazo”, afirma Darly Silva – o Neguitão –, presidente da escola.

O Grêmio Recreativo Cultural Social Escola de Samba Vai-Vai é uma escola de samba fundada por um grupo de notáveis sambistas no bairro do Bixiga, pertencente ao distrito da Bela Vista. 
 
Comunicação MAN Latin America.
www.platenpressprintshop.com.br


ALTA RODA.
Por Fernando Calmon*

INSPEÇÃO AMBIENTAL VOLTA À PAUTA

Passou algo despercebido, em 2016, o aniversário de 30 anos do Proconve (Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores). Como a indústria instalada no País completou 60 anos também em 2016, significa que metade de sua trajetória histórica foi regida por regulamentações que, se não estão entre as mais rigorosas do mundo, pelo menos ajudaram a mitigar as chamadas emissões reguladas de três gases: monóxido de carbono, óxidos de nitrogênio e hidrocarbonetos.

No caso de motores de ciclo Otto o controle pôde ser feito com relativa facilidade por meio de gerenciamento eletrônico de injeção e ignição, além de um dispositivo muito eficiente, o catalisador de três vias, que recebe este nome por atuar sobre aqueles gases. Quando a peça atinge a temperatura de trabalho – hoje de forma muito mais rápida – e uma eficiência de conversão de 98%, os subprodutos no escapamento são nitrogênio e vapor d’água.

Um dos acertos do Proconve foi trabalhar com fases e prazos a exemplo do exterior. Isso atraiu fabricantes de catalisadores para o Brasil. Primeiramente a Umicore, que completou 25 anos, e depois a BASF. Stephan Blumrich, presidente da primeira, afirmou com exclusividade à Coluna: “Devemos continuar, como o resto do mundo faz, a buscar emissões menores do que hoje é permitido. O legislador deve atuar em harmonia com a indústria quanto a metas e o tempo necessário para alcançá-las. O catalisador faz a sua parte e pode durar o mesmo que um motor, se a manutenção deste for feita de acordo com as normas do fabricante. Funciona de modo simples por meio de reações químicas. Além disso, ao fim da vida útil pode ser reciclado e seus metais nobres, recuperados. A saúde da população é preservada, mas com o aumento da frota circulante e condições de tráfego mais difíceis há necessidade não apenas de avançar nas regulamentações, mas também ter um controle sobre a efetiva manutenção dos veículos por meio de inspeções”.

O fato é que não se vislumbram ainda os próximos passos do Proconve. Ministério do Meio Ambiente e Ibama deveriam ter avançado nas propostas, mas parece haver certa letargia em parte pela situação política e econômica do País. Nesse cenário o governo de São Paulo resolveu, depois de 20 anos de indefinições, propor a continuidade na legislação e, pela primeira vez, iniciar um programa estadual de inspeção veicular.

De fato, um esforço isolado da cidade de São Paulo deixa de trazer benefícios maiores porque a poluição se estende por toda a região metropolitana e começa a preocupar também em concentrações urbanas do interior. A Secretaria Estadual do Meio Ambiente anunciou na semana passada que em 2018 todos os veículos a diesel, leves e pesados, começarão a ser inspecionados.

Segundo o secretário, Ricardo Salles, as 46 agências regionais da Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) se encarregarão do programa. É imprudente achar que uma companhia com várias atribuições e em momento de finanças tão apertadas possa coordenar e executar inspeções. Isso não deu certo no Estado do Rio de Janeiro e nem no exterior. A fórmula com menos possibilidade de erros é boa regulamentação e licitação dos serviços entre empresas especializadas.

RODA VIVA

APESAR de muito se falar sobre alternativas de mobilidade no mundo, as vendas de automóveis e comerciais leves continuam em ascensão. Segundo a consultoria inglesa Jato, 84,24 milhões de unidades ganharam as ruas em 54 principais países pesquisados no ano passado. Crescimento de 5,6% sobre 2015. Nada indica que esse ritmo diminua em 2017.

EMISSÕES de novas carteiras nacionais de habilitação (CNH) caíram 13% em 2015 e também em 2016. Leitura mais apressada pode concluir que há menos interesse em comprar carros. Mas, na realidade, comparada à queda de cerca de 50% do mercado brasileiro no mesmo período, o percentual acumulado menor de CNH emitidas indica justamente o contrário.

SANDERO surpreende em desenvoltura graças ao novo motor 1,6-L SCe, bem superior ao utilizado antes. Mesmo com potência maior o consumo foi reduzido. Sistema de desligar-ligar o motor (pode ser inibido por botão no painel) funciona de modo silencioso e preciso, pois basta um leve toque no pedal de embreagem. Comando do câmbio, agora a cabo, ficou bem melhor.

MEXICANOS estão comprando mais veículos novos (crescimento de 50% em dois anos) depois que o governo regulamentou a importação de modelos seminovos dos EUA e assim reduziu em 90% essa prática. O mercado do México, agora, é duas vezes maior que o da Argentina. Oportunidade para diversificar exportações brasileiras, o que já vem ocorrendo.

FERRAMENTA Consulta Recall verifica se qualquer veículo tem pendência relativa a defeitos de segurança. Desenvolvida pela Tecnobank, inclui todas as revocações dos fabricantes desde 1999. Serviço hospedado em nuvem e a informação individual é paga. Essa informação deveria aparecer no licenciamento anual, mas vem sendo adiada seguidamente.





Fernando Calmon - fernando@calmon.jor.br - é jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna Alta Roda começou em 1999. É publicada no Coisas de Agora, WebMotors, Gazeta Mercantil e também em uma rede nacional de 52 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente para a América do Sul do site Just-auto (Inglaterra). Siga: www.twitter.com/fernandocalmon.

USINA DE CANA DESTACA A BOA RELAÇÃO CUSTO-BENEFÍCIO DOS MOTORES FPT INDUSTRIAL.

Máquinas da New Holland movidas por propulsores da FPT Industrial chegam a operar 24 horas por dia nos períodos de safra. Robustez e confiabilidade são ressaltados pelo gerente industrial da Usina Nova Gália, de Paraúna (GO).
Confiabilidade, robustez e uma boa relação custo-benefício. Esses são os destaques citados pela Usina Nova Gália sobre os motores da FPT Industrial que equipam máquinas da New Holland Construction. O cliente está na Zona Rural da cidade de Paraúna, no Estado de Goiás e utiliza as máquinas para o carregamento de bagaço de cana em suas operações diárias. 

Por safra, os motores das máquinas da linha amarela encaram um trabalho extremamente severo. “O carregamento de bagaço de cana é feito em rampas longas e de grande inclinação. O investimento inicial que fizemos frente ao retorno que temos é positivo, assim como o custo de manutenção. Trata-se de uma relação custo-benefício interessante”, analisa Leandro Rangel Madriles, engenheiro mecânico e gerente industrial da Usina Nova Gália. “Afinal, durante a safra de aproximadamente 200 dias, as carregadeiras sobre rodas, por exemplo, trabalham 24 horas por dia, sete dias por semana, com paradas feitas apenas para uma manutenção corriqueira”, acrescenta o engenheiro.

Madriles foi mais além e analisou o recente protótipo de motor FPT Industrial movido a biometano para aplicação em máquinas. Para ele, a opção poderá ser viável para negócios futuros, uma vez que há evolução nos biodigestores de vinhaça para a produção de biogás (metano). “Com isso, creio que em um futuro próximo teremos viabilidade técnica e econômica para a utilização em média escala de máquinas equipadas com o motor de biometano”, prevê o gerente industrial.

Fundada em 2008, a Usina Nova Gália atende o mercado nacional de etanol, e conta com seis estruturas com capacidade para processar dois milhões de toneladas de cana por safra (o que compreende, em média, um período de 200 dias). A usina produz dois tipos de álcool, sendo o anidro (adicionado à gasolina para ser utilizado como combustível para automóveis e matéria-prima para tintas, solventes e vernizes) e o hidratado (este, aplicado como combustível para veículos flex).

Na opinião do executivo, os motores da FPT são produtos confiáveis, duráveis e de grande disponibilidade. “Já trabalhamos com máquinas equipadas com motores FPT Industrial há oito anos. O desempenho do motor é bom, e o consumo médio de uma pá carregadeira W170B, por exemplo, é de 19,6 litros por hora, o que consideramos bastante aceitável”, ressalta Madriles.

A Usina Nova Gália conta com seis máquinas de construção da New Holland movidas por motores FPT Industrial, sendo uma motoniveladora, três pás-carregadeiras sobre rodas, uma escavadeira hidráulica e uma minicarregadeira sobre rodas. “As pás maiores são para carregamento de bagaço, enquanto a motoniveladora e escavadeira hidráulica para conservação de estradas e barragens, e a minicarregadeira para serviços gerais”, finaliza Madriles.

A presença da FPT Industrial nas máquinas de construção

O motor N67 do portfólio da FPT Industrial equipa entre outras máquinas, a carregadeira da New Holland Construction. Com sistema de injeção de combustível tipo Common Rail, turbocompressor e intercooler, o N67 conta com 6,7 litros. Sua potência vai de   130 cv a 2.200 rpm, até  235 cv a 2.200 rpm, e torque de  589 Nm @ 1.400 rpm a  1082 Nm @  1.500 rpm. A combinação de seis cilindros e um volume deslocado de 6,7 l garantem ao N67  alto rendimento, combinando torque elevado, menor consumo de combustível e baixo custo de manutenção.

Visite